English

Português

Wednesday, June 1, 2011

Psicologia vaisnava: lidando com a depressão


     Eu tenho visto um crescente número de pessoas que estão enfrentando problemas como a depressão e cheguei a tentar resgatar uma menina de 17 anos após tentativa de suicídio, devido a um quadro de depressão aqui na Índia, mas infelizmente ela não resistiu. Eu vi mais 7 casos similares nos últimos 6 meses trabalhando no Hospital Bhaktivedanta. Nesses momentos costumamos nos perguntar: Será que um espiritualista pode desenvolver depressão? Por que isso acontece? Como lidar com isso? E quando a situação é grave ao ponto em que a pessoa não pode mesmo realizar as práticas espirituais que poderiam ajudá-la a sair dessa situação? Espero que o artigo que segue ajude as pessoas a desenvolverem uma melhor compreensão sobre o assunto para que elas estejam aptas a ajudar aqueles que estão sofrendo com isso. (Vkdd)

                                                    Por Arcana-Siddhi Devi Dasi



Na noite de 14 de novembro, 1975, recebi um telefonema em meu dormitório na faculdade. Absorvida em estudar para os exames, eu respondi calmamente, esperando que fosse meu namorado, que normalmente me ligava aquela hora. Em vez disso, eu ouvi uma voz desconhecida do outro lado da ligação e um jovem se identificou como um dos novos vizinhos do meu irmão.

Eu pensei: "O que Philip fez dessa vez?"

Nos últimos seis anos, Philip sofria de transtorno bipolar, então conhecido como transtorno maníaco- depressivo. Por várias vezes ele havia parado de tomar seus remédios e caido em um estado maníaco psicótico. A última vez que aconteceu, ele foi encontrado deitado no meio da estrada, tentando ver se os carros parariam. Ele racionalizou seu comportamento como um teste para ver se o homem era inerentemente bom ou mau. Felizmente, ele foi preso antes que qualquer mal se aproximasse dele e foi novamente internado em um hospital psiquiátrico para se estabilizar em uso de medicação.
Na noite em que eu recebi o telefonema, eu só havia visto meu irmão no dia anterior. Ele estava em um humor suave, pensativo. Apesar de freqüentar as aulas na universidade e ir bem, ele disse que não via qualquer esperança para seu futuro. Tudo parecia fútil. Dei-lhe uma das minhas conversas estimulantes padrão, lembrando-lhe que as coisas ficariam melhores, e ele tinha que enfrentar a tempestade. Mas desde que eu compartilhava suas opiniões sobre a futilidade da vida, eu me perguntava como eu tinha sido convincente.
Eu também lutava com o humor deprimido. Eu havia acabado de iniciar a minha busca espiritual, mas eu ainda não tinha respostas convincentes para a sua desesperada pergunta do porquê prosseguir na vida. Ainda assim, ele me garantiu que ele ficaria bem e me agradeceu pela nossa conversa.
Após uma longa pausa no telefone, seu companheiro de casa deixou escapar que Philip havia se enforcado no porão. Seu corpo havia sido encontrado. O interlocutor ofereceu suas condolências às pressas e desculpou-se pela conversa. Eu desliguei o telefone, estupefata e entorpecida.

Procura intensa

A trágica morte do meu irmão intensificou a minha busca espiritual. Procurei respostas em livros religiosos e escrituras. Rezava fervorosamente por orientação.

Eu tive logo a sorte de conhecer os devotos de Krishna. Eles também compartilhavam a minha opinião sobre a inutilidade de uma vida apenas para envelhecer e morrer. Mas ao contrário de mim, eles estavam radiantes e felizes. Esta contradição aparente aumentou a minha curiosidade para entender mais sobre suas crenças.

Eu aprendi que os devotos estavam acessando uma outra dimensão da realidade. Ensinaram-me que além deste mundo temporário de nascimento e morte há um mundo eterno, onde a felicidade de uma pessoa está aumentando cada vez mais no relacionamento com  a Pessoa Suprema, Krishna.
Eu estava familiarizada com o conceito de um outro mundo através dos ensinamentos do cristianismo: viva uma vida boa, e a você estará assegurado um lugar no mundo no final. Mas o que me atraiu para a apresentação da consciência de Krishna de um mundo eterno foi que eu não tive que esperar até que eu morresse para ser transportado para algum lugar, eu poderia alcançar a consciência espiritual nesta vida.
Isso trouxe duas coisas importantes para mim. Primeiro, me deu um objetivo digno de viver. Em segundo lugar, pude perceber o progresso que eu estava fazendo a cada dia, e que iria ajudar a me dar incentivo para continuar a trabalhar para o objetivo final de realizar a minha identidade espiritual em relação a Krishna.
Os devotos me mostraram os ingredientes básicos para o progresso espiritual. O mais importante foi o canto do maha-mantra Hare Krishna, a encarnação sonora do Senhor. Krishna empoderou o mantra para purificar os nossos corações de todos os sentimentos indesejados, tais como ganância, inveja e raiva. O mantra nos ajuda a descobrir a nossa verdadeira consciência espiritual, agora envolta em desejos incontáveis ​​que nos separam do Senhor.
Poucos dias depois de cantar o mantra regularmente nas contas ( japa), senti me erguer dos meus sentimentos de depressão. A luz entrou na escuridão com a qual eu estava tão acostumada a viver.
O som do mantra me libertou de uma visão do mundo como sendo vazio e sem propósito. Eu rapidamente me dediquei a cantar o maha-mantra mais de mil e setecentas vezes por dia (dezesseis voltas de contas), uma prática que eu tenho continuado pelos últimos 25 anos. O canto teve muitos efeitos positivos. Uma das mudanças mais dramáticas para mim foi a liberdade da depressão que vivi por tantos anos antes de ser apresentada à Consciência de Krishna.

Depressão Definida         
A maioria das pessoas tem humor deprimido de vez em quando, muitas vezes apontando para uma necessidade de mudança, seja interna ou externa. Poderíamos ter que alterar a nossa percepção ou compreensão de algo, ou encontrar um outro tipo de emprego ou um novo lugar para morar.
Sentir-se pra baixo de vez em quando não é o mesmo que a depressão clínica. Para ser diagnosticada como depressão clínica, uma depressão grave em um adulto deve estar presente todos os dias por pelo menos duas semanas, e uma depressão menos grave devem estar presentes na maioria dos dias por pelo menos dois anos.
Em um sentido mais profundo, depressão ou desânimo é anseio da alma para estar com Krishna. Finalmente, os nossos desejos nunca podem ser satisfeitos por todas as coisas deste mundo.
No Ocidente, um dos exemplos mais marcantes dessa insatisfação é o ritual da manhã de Natal. Quantas manhãs de Natal que corremos para a árvore, repletos de antecipação? Quantas manhãs de Natal que rasgamos o papel de embrulho, na esperança de encontrar o presente que haviamos pedido por todo o ano? Então, no despertar do papel rasgado, fitas emaranhadas, arcos mutilados e caixas espalhadas, quantas vezes nos sentimos tristes e insatisfeitos?
A magia de antecipação desapareceu. No entanto, surpreendentemente, no ano seguinte seriamos novamente levados a acreditar que podemos encontrar a felicidade debaixo da brilhante árvore de Natal.
Coberto pela potência ilusória do Senhor, nós achamos que podemos ser felizes neste mundo, embora nós tenhamos sido desapontados mais uma vez. Para nos ensinar o erro deste tipo de pensamento, Krishna, por vezes, encobre os Seus servos liberados com a ilusão para que eles possam agir como um de nós. Um devoto desses é Arjuna. Confrontado com a perspectiva de ter de lutar contra familiares, professores e amigos, ele é rapidamente superado pela depressão e perde de vista sua identidade espiritual. Impulsionado pela ilusão da identificação com o corpo, ele quer fugir para a floresta, negligenciando o seu dever como um guerreiro. Nesse estado confuso e doloroso emocional, Krishna diz a Arjuna que ele não pode encontrar alguma maneira de afastar a sua dor, que está secando seus sentidos. Nesse momento ele percebe que não há solução material lhe trará alívio. Ele se volta ao Senhor por abrigo.
Para ajudar a Arjuna a sair de sua depressão e voltar à consciência espiritual, Krishna, então, fala a sabedoria atemporal do Bhagavad-Gita. Estas conversas transcendentais com Krishna curam Arjuna de sua angústia desesperada e permitem-lhe agir de acordo com as instruções do Senhor.

Depressão e espiritualistas
Podemos duvidar que um espiritualista sério possa desenvolver uma doença mental ou emocional. Mas, assim como o Senhor pode usar doença física para trazer um devoto mais perto Dele, Ele pode usar o sofrimento mental também. Isso foi mostrado nas relações de Krishna com Arjuna.
Temos acesso à mesma fonte de consolo  que Arjuna teve. O Senhor Supremo, Sri Krishna, está sentado dentro de nossos corações. Ele quer nos dar um bom conselho e dirigir-nos para fora do nosso estado infeliz de ser. E Ele nos direciona a um mestre espiritual fidedigno, que também nos ajudará em nossa caminhada neste mundo temporário.
O mundo material não é a nossa casa real, e o corpo que vemos no espelho não é o nosso verdadeiro eu. O Srimad-Bhagavatam diz que não podemos ser felizes neste mundo a menos que sejamos um tolo ou um devoto puro. Um tolo pode ignorar a realidade e viver como se ele nunca fosse morrer. Mas um devoto puro, tendo realizado a sua identidade espiritual, não é mais afetado pelo corpo material impermanente. Devotos puros estão com Krishna no mundo espiritual, mesmo que seus corpos físicos estejam aqui na terra.
Como a maioria das pessoas caem em algum lugar entre o tolo e o devoto puro, não é de se admirar que a maioria das pessoas sinta o humor deprimido ir e vir e seja estimado que 25 por cento da população dos Estados Unidos, desenvolve uma depressão clínica alguma vez na vida.
A depressão pode ser útil se ela nos levar em uma direção espiritual e buscarmos respostas para nossa infelicidade. O Senhor no coração vai convencer-nos no que diz respeito a Ele. Se optarmos por ignorá-Lo, voltando a nossa atenção para o mundo efêmero, externo, para o conforto, ao afogar nossas emoções e inseguranças em intoxicação ou outras atividades que alteram a mente, vamos perpetuar nossos sentimentos miseráveis. Nós vamos destruir a nossa sensibilidade para ouvir a voz interna da razão e da sabedoria.
Embora as práticas espirituais sejam a cura definitiva para toda a depressão, a própria natureza da depressão, por vezes, impede os buscadores espirituais de fazerem as mesmas coisas que poderiam ajudá-los a sair do atoleiro. Para uma pessoa ictérica, o açúcar candy, a cura para a doença, tem gosto amargo. Mas se o paciente continua comendo o açúcar candy, a icterícia é curada e o sabor doce volta novamente. Em nossa consciência material doente,  o cantar do Hare Krishna  - a cura pode muitas vezes parecer difícil, mas à medida que avançamos em nossa consciência espiritual, o canto se torna cada vez mais doce e agradável.
Então, enquanto nós devemos encorajar os outros a tomar o remédio espiritual de cantar, talvez seja necessário incentivá-los a procurar ajuda médica também. Nós nunca devemos ignorar os sintomas de depressão clínica em nós mesmos ou em nossa família ou amigos. Os sintomas incluem alguns ou todos os seguintes: baixa auto-estima, humor irritável, falta de energia,  pensamentos de inutilidade, perda de apetite ou comer demais, dormir demais ou muito pouco, pensamentos de suicídio ou homicídio, falta de desejo em fazer coisas antes consideradas prazerosas e sentindo pouca esperança de que as coisas vão melhorar.
Embora a depressão seja um estado de espírito, a ciência descobriu que um desequilíbrio químico no cérebro acompanha a depressão clínica. Muitas vezes, a depressão pode ser tratada sem medicamentos. Ou seja, se mudarmos nosso estado emocional, como através de práticas espirituais, podemos mudar a nossa química cerebral. Em casos mais graves, embora, nós precisamos de medicação para restabelecer o equilíbrio químico saudável. Não tratada ou mal tratada a depressão pode ter resultados trágicos, como foi o caso com meu irmão.
Eu gostaria que, quando meu irmão veio me ver na noite anterior a que ele terminou com sua vida, eu pudesse ter dado a ele o santo nome em vez de apenas simpatia. Eu gostaria de ter sabido sobre a filosofia do Bhagavad-Gita e poder ter-lhe dado conhecimento do ser eterno. Eu gostaria de ter sabido que Krishna é a Suprema Personalidade de Deus e que Ele é nosso amigo mais querido e sempre bem-querente. Eu gostaria de poder ter o consolo com esse conhecimento espiritual.
Ele ainda teria precisado de remédio e terapia. Mas eu acho que a consciência de Krishna teria lhe dado uma razão para ir em frente. Eu rezo para que onde quer ele esteja, ele entre em contato com a consciência de Krishna e seja capaz de avançar em direção à sua meta espiritual suprema.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

(Reproduzido a partir de Volta ao Supremo Magazine Volume 36, Number 04, 2002 © BBT Internacional, todos os direitos reservados) 

1 comentários:

articulando said...

Que blog mais maravilhoso! Hare Krishna!

Eu gostaria de reunir devotos e devotas profissionais ou que estudem psicologia, saúde mental, terapias etc. para um grupo onde pudéssemos nos aprofundar na filosofia/práticas e, quem sabe, escrever artigos como esse, até levando para a academia, como desejava Prabhupada. Se alguém conhecer algum grupo, site etc. que já exista, por favor, entre em contato e se tiver interesse em fazer algo específico nesse sentido, vamos nos unir!

Obrigada e minhas reverências a essas pérolas de amor nessa exitência, que são os vaishnavas e vaishvanis, devotos do nosso amado Senhor Krishna, Amor Supremo, fonte de todo prazer!

Melissa Caetano.
www.articulando.com.br

Post a Comment