English

Português

Saturday, July 10, 2010

Psicologia Vaisnava: Descobrindo o que funciona para a grande jornada

Para a instituição do casamento e para casamentos

(Reproduzido do Jornal de Comunicação da ISKCON # 19 Setembro de 2001)

Por Archana-Siddhi Devi Dasi


 Entrei ISKCON em 1976. Naquela época, eu estava na faculdade estudando para me tornar uma psicoterapeuta. Em 1990, voltei para a escola e terminei meu mestrado em Clínica Social. Desde aquela época eu aconselhava um número de casais devotos que estavam lutando para se manter em seus casamentos. Muitas vezes, o casal só precisa aprender algumas habilidades básicas de relacionamento. Em outros momentos, o casal enfrenta situações muito difíceis que os obrigam a fazer ajustes em suas práticas conscientes de Krishna ou percepções, a fim de sobreviver como um casal e manter-se na associação dos devotos.

Alguns anos atrás, um casal abandonou a associação dos devotos. Quando eu perguntei por que eles saíram, eles responderam que preferiam serem bons cristãos a devotos ruins. Não era a primeira vez que eu tinha ouvido essa lógica, e eu me senti muito triste por este casal sentir que era tudo ou nada. Enquanto na ISKCON o casal havia se deparado com a abstenção da intimidade sexual; no cristianismo encontraram uma religião em que a intimidade sexual é permitida.

Eu conhecia outro casal que tinha três filhos. O marido deixou a esposa devota, porque ele não estava pronto para se abster totalmente de sexo. Sua esposa, por outro lado, não queria mais filhos e se recusou a considerar romper os princípios regulativos para satisfazer sua luxúria. Ele acabou tendo um caso e deixando sua esposa com seus três filhos, sem meios de subsistência. Ela acabou tendo que arrumar um emprego em um restaurante não-vegetariano para sustentar seus filhos. Ela tinha cada vez menos tempo para sadhana e eventualmente desapareceu da associação com os devotos.

Estes são os cenários trágicos provocados pelo pensamento inflexível em preto-e-branco. Tal pensamento afetou todo nosso movimento em seus primeiros anos e talvez seja uma etapa inevitável de desenvolvimento do crescimento de um movimento espiritual. Mas Srila Prabhupada não era um fanático. Ele tomou decisões concretas e fez ajustes para ajudar a transplantar os ensinos e Cultura Védica à nossa mentalidade ocidental. É claro que, sendo um acharya auto-realizado, ele teve a liberdade para tomar decisões como a redução do número de voltas de japa diariamente de 64 para 16 e dando iniciação brahmínica para as mulheres. Ao mesmo tempo em que devemos ter cuidado para não alterar a essência do que Srila Prabhupada nos passou, ele deu muitos exemplos de como praticidade no serviço a Krsna substitui as regras e regulações estritas.

Prabhupada fez muitas coisas para acomodar nossa mentalidade ocidental, desde possuírem banheiros ocidentais em seus projetos para templos indianos, a permitir que homens e mulheres convivessem juntos em comunidades no templo. Ele era progressista e inovador em sua pregação. Ele deu permissão para os distribuidores de seus livros para vestirem-se com roupas ocidentais. Ele sempre tomou decisões com base naquilo que iria beneficiar a massa de pessoas, mesmo que não estivesse em conformidade com os padrões védicos.

Em um comentário Prabhupada escreve: "Para difundir a cultura da consciência de Krishna, a pessoa tem de aprender a possibilidade de renúncia, em termos de país, tempo e candidato. Um candidato à consciência de Krishna nos países ocidentais deve ser ensinado sobre a renúncia da existência material, mas alguém ensinaria aos candidatos de um país como a Índia, de uma forma diferente. O professor tem que considerar o tempo, o candidato, e o país. Ele deve evitar o princípio da niyamagraha, ou seja, ele não deve tentar realizar o impossível. O que é possível em um país pode não ser possível em outro. O dever do acharya é aceitar a essência do serviço devocional. "Shri Chaitanya-caritamrta Madhya-lila 23,105)

É importante ver que Prabhupada tentou diferentes estratégias para a difusão da consciência de Krishna. Se algo não estava dando certo, Prabhupada agia rápido para mudar isso. Por exemplo, o canto público, harinama, foi uma estratégia bem sucedida para espalhar a Consciência de Krishna no Ocidente, mas, quando Prabhupada levou seus discípulos para introduzir harinama sankirtana na Índia, isto não foi eficaz, ao contrário, isto criou uma impressão negativa do nosso movimento, apesar do fato do Senhor Chaitanya ter propagado a consciência de Krishna por toda a Índia através do harinama sankirtana há 500 anos atrás. Prabhupada foi capaz de avaliar a situação e elaborar um programa de membros vitalícios (Life Membership) na Índia, que se mostrou muito bem sucedido.

Nós, como discípulos de Prabhupada, não fomos tão flexíveis em nosso pensamento e não fomos capazes de fazer ajustes como Prabhupada fez. Pensamento rígido e dogmas duros, muitas vezes deixaram os devotos em situações muito difíceis.

Gostaria de citar um exemplo pessoal de como o pensamento inflexível pode criar um dilema para os devotos. Minha autoridade no templo aconselhou-me que, deixar meu marido caído era aceitável, mas que casar novamente não era aceitável. Eu era uma jovem mãe com um filho de quatro anos de idade. As escrituras realmente dizem que uma mulher não deve se casar novamente, mas elas também ensinam que uma mulher deve sempre ser protegida, quer por um marido, pai ou filho adulto. Desde que ficar no meu casamento não era uma opção, a única possibilidade que a minha autoridade me deixou foi permanecer solteira e desprotegida. A cultura védica foi criada para proteger mulheres não casadas. Infelizmente, a ISKCON teve (e ainda tem) um longo caminho a percorrer em direção à proteção das mulheres solteiras.

Eventualmente, eu me casei novamente, e o segundo casamento tornou-se tacitamente aceito na ISKCON, devido ao fato de ser dado à mulher solteira um apoio e facilidades limitadas. Embora eu não defenda o divórcio e o segundo casamento, eles se tornaram necessários para a sobrevivência da primeira geração de Grihastha ashrams da ISKCON. Muitos casamentos aconteceram com pouca consideração de compatibilidade espiritual e material entre os devotos. Alguns devotos nem mesmo viram seus noivos ou noivas antes da cerimônia de casamento. Em outras situações, no momento em que um homem e uma mulher começaram a se associar, a comunidade já se dirigia a eles como marido e mulher. Isso criou uma grande pressão em casais incompatíveis a amarrarem o nó. Olhando para trás, é fácil ver nossas tentativas como uma imitação muito ruim do estilo védico de casamentos arranjados, sinceras, mas desorientadas.

Outro obstáculo que os devotos ocidentais encontram em manterem seus cônjuges adequadamente é a prática de uma doutrina em uma cultura que promove intensamente os encontros românticos. Romance e amores passionais são o tema da maior parte da literatura e apresentações na mídia. Basta fazer nossos afazeres diários, para sermos bombardeados com imagens de abraços, e beijos de casais.

No Srimad-Bhagavatam (Sexta Canto), há a história de Ajamila, um brâmane piedoso que deixou sua esposa santa por uma prostituta depois de testemunhá-la abraçando apaixonadamente seu pretendente. Ajamila havia sido treinado em princípios religiosos, desde o nascimento, e somente pessoas religiosas o cercavam, mas mesmo assim ele caiu como resultado de assistir a uma visão que é onipresente em nossa cultura. Em nosso estágio neófito de avanço espiritual ainda somos presas para maior atração de Maya.

A instituição do casamento está se tornando cada vez enfraquecida na cultura em que vivemos. No Srimad-Bhagavatam é predito que os homens e mulheres em Kali Yuga se uniriam com base somente na atração sexual. Conseqüentemente, quando a atração sexual diminui, o que é inevitável, o casal se separa.

O relacionamento saudável entre o homem e a mulher é o alicerce de uma sociedade forte. Em um comentário do Srimad-Bhagavatam Srila Prabhupada afirma:
Tratamento carinhoso com o marido é muito importante. Recomenda-se que a mulher seja apegada e atraída por ele. Ela deve tratá-lo com intimidade amorosa. É agradável ao marido saber que sua esposa é dedicada a ele, desejosa em agradá-lo e ajudá-lo a cumprir seus ideais conscientes de Krishna. Se a renúncia imediata é difícil para ele, isso permitirá um homem a diminuir gradualmente seus desejos materiais. “Após ser treinado na vida familiar e seus desejos luxuriosos terem diminuído, ele pode mover-se para qualquer lugar sem perigo”. (Bhagavatam-Shrimad 5.1.18)

É fundamental que nós comecemos a preparar nossos filhos desde uma idade muito jovem a viverem corretamente no ashram de Grihastha. Quanto mais cedo nós introduzirmos habilidades para a vida, que ajudem as pessoas a terem relacionamentos mais satisfatórios, melhor. Parte do currículo para a educação das crianças deve incluir as habilidades de relacionamento. Estas incluem as habilidades de comunicação, competências de assertividade e habilidades de resolução de conflitos. Os adolescentes precisam entender a diferença entre paixão e apego saudável e duradouro. Autoconhecimento e introspecção precisam ser muito estimulados para ajudarem aos jovens a compreenderem seu estado e estrutura psicológica, e que tipo de pessoa seria uma boa parceira na vida.

Podemos também usar mapas astrológicos e perfis psicológicos de personalidade, como o indicador de Myers-Briggs Type para ajudar os pais e filhos a compreenderem suas naturezas e para melhor permitir que se avalie a compatibilidade com o cônjuge em potencial.

Outra forte recomendação para os casais é um namoro prolongado. A perspectiva idílica vivida durante o período de paixão geralmente dura entre seis semanas a seis meses. Durante este período, a pessoa é incapaz de ver os defeitos de sua amada. Há a ilusão de que esta pessoa vai fazê-la feliz eternamente, e nós sentimos como se estivéssemos flutuando sobre uma nuvem. Durante este período de euforia, as nossas melhores qualidades se sobressaem. Nós somos mais altruístas e generosos do que em qualquer outro momento. Podemos ter aumento de energia e podemos ter dificuldade para comer ou dormir.

A paixão é o reflexo pervertido do amor incondicional por Krishna. A diferença é que o amor por Krishna aumenta eternamente e nunca acaba, enquanto a paixão diminui e a realidade da imperfeição desmistifica o amado. Se o casal tem muito em comum, o relacionamento continua se não, eles geralmente se separam logo após a paixão acabar. Por conseguinte, é importante que os casais não se casem ou assumam compromissos fortes, até que passem por esse período. Claro, isso é mais fácil dizer do que fazer, pois muitas vezes os casais apaixonados não podem agir pela razão. Isso mostra o quão essencial é a preparação antes que o apego se afirme.

Outra ferramenta muito útil para os casais que planejam o casamento é o aconselhamento pré-marital. O casal pode explorar e compartilhar as suas expectativas de casamento. Muitas vezes as pessoas nem sequer pensam sobre o que eles querem ou precisam de um relacionamento. Eles de alguma forma esperam que o cônjuge vá magicamente atender a essas indefinidas, necessidades não ditas. Quando isso não acontece, tornam-se desapontados e irritados. Muitas vezes, no aconselhamento de casais, estas expectativas e necessidades são uma revelação tanto para o cônjuge como para a pessoa que as expressam. Ajudar os casais a analisarem estas questões desde o início dá um tom de acolhimento e orientação para o casamento. Ele também pode ajudar um casal a entender que eles são menos compatíveis do que eles pensavam e permitir-lhes a separação antes de se casar e terem filhos. Minha experiência com crianças devotas é que elas parecem muito mais cautelosas sobre entrar em relacionamentos que seus pais, talvez porque elas viram e sentiram a dor e o caos das relações rompidas de seus pais.

Grupos de homens e mulheres têm sido incentivados nas comunidades de devotos como uma forma de dar apoio e encorajamento um para o outro. É uma falácia pensar que nossos cônjuges são capazes de satisfazer todas as necessidades do nosso relacionamento. Formando relacionamentos íntimos com outros devotos neste fórum pode ajudar a dar suporte à relação dentro do casamento e dar associação a homens e mulheres solteiras. Todos nós temos necessidade de sociedade, amizade e amor. Incapacidade de encontrar essas coisas na sociedade de devotos pode se tornar uma razão para deixar a consciência de Krishna. Até certo ponto, esses grupos também podem desempenhar o papel que a família desempenhou na cultura védica. Nos primeiros anos da ISKCON, casais grihasthas muitas vezes lutaram com suas dificuldades em isolamento. Isto teve um efeito negativo tanto na relação marital quanto em sua consciência de Krishna. Nosso grihastha ashram se tornará muito mais forte quanto mais se discutir abertamente nossas dificuldades e nos aconselhemos um com o outro.

Somos pioneiros desse movimento, e Prabhupada e Krishna nos deram uma grande responsabilidade. Antes de falecer, Prabhupada disse que metade do seu trabalho foi feito e que ele estava deixando a outra metade para nós. Prabhupada se referia à criação de varnashrama dharma: como criar uma sociedade que satisfaz as necessidades materiais das pessoas e suas inclinações, ao mesmo tempo em que se elevam espiritualmente. Isso exigirá uma grande quantidade de maturidade, flexibilidade e pensamento criativo, bem como sadhana forte.

Os relacionamentos fortes são um pré-requisito para tornar bem sucedido qualquer projeto. As pessoas julgam nosso movimento, observando nossos relacionamentos. Assim é de nosso melhor interesse nos tornar especialistas em relacionamento. Eu incentivo fortemente comunidades de templos a incluirem workshops regulares sobre as habilidades de comunicação, assertividade e habilidades de resolução de conflitos.

Sem dúvida, houve muitos erros no passado, e nós precisamos curar os efeitos dos erros. Também precisamos aprender as lições destes erros e evitar que eles voltem a acontecer. Desta forma, podemos ir em frente com novas perspectivas e otimismo para o futuro.

Bibliografia
A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada. Sri Caitanya-Caritamrta. Los Angeles: BBT, 1975.
A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada. Srimad Bhagavatam. Los Angeles: BBT, 1975.

Tradução Bn. Rosana Araújo

4 comentários:

Rosana Araújo said...

Desculpem a tradução um pouco imperfeita.
Hare Krishna!

Rosana Araújo said...

Hare Krishna!
Este foi o trexo que mais gostei:
Tratamento carinhoso com o marido é muito importante. Recomenda-se que a mulher seja apegada e atraída por ele. Ela deve tratá-lo com intimidade amorosa. É agradável ao marido saber que sua esposa é dedicada a ele, desejosa em agradá-lo e ajudá-lo a cumprir seus ideais conscientes de Krishna. Se a renúncia imediata é difícil para ele, isso permitirá um homem a diminuir gradualmente seus desejos materiais. “Após ser treinado na vida familiar e seus desejos luxuriosos terem diminuído, ele pode mover-se para qualquer lugar sem perigo”. (Bhagavatam-Shrimad 5.1.18)

O que se vê na Iskcon internacional é uma tendência ao extremismo, como ela mesma diz, o pensamento em preto e branco. Nos paízes mais frios temos o extremo dos casais se tratarem como estranhos ou com muita formalidade, chegando até mesmo ao extremo de morarem em lugares separados! O que acontece é que por fim eles se separam mesmo! E nos paízes mais quentes como o Brasil há outro extremo. Os casais vão para o templo, lá se separam, cada um fica do seu ladinho na sala do templo, mas no seu dia-a-dia sua relação não tem diferença nenhuma de qualquer casal sem contato com a consciência de Krishna. O que eu quero dizer é que uma vida devocional em casa, com sadhana, japa, leitura, arati, e a consciência de que somos servos de Krishna, não é imcompatível com carinho e apêgo um ao outro. Apêgo?!!! Sim, o apego entre o casal é necessário! Ora, se não fôsse o apego o casal teria se casado? E se um não tiver apêgo pelo outro irão se epgar a quê? A Krishna???? Temos que avaliar nossas reais possibilidades de rendição plena. O acontece na realidade que tentando se desapegar do esposo ou esposa, acabamos nos apegando à outra pessoa fora do casamento! Na vida de griahastha o desapego é algo que acontece naturalmente com a idade e a manutenção de atividades consciêntes de Krishna. Desapego é algo que todos temos que passar, sendo devotos ou não, na hora da morte tudo nos é levado, e nós temos que desapegar por bem ou por mal. Isto não quer dizer que não devemos cultivar o desapêgo, mas desapêgo não é ver alguém como um estranho total, ou tratar com frieza, ou não sentir saudades, não ligar de jeito nenhum. Desapêgo entre os casais é vc saber que ambos são almas espirituais servas de Krishna e estão juntos para ajudar um ao outro a realizar isto. Isto requer uma boa dose de altruísmo! É preciso enchergar as necessidades do outro, e respeitar até mesmo o apêgo do outro, pois isto é completamente normal e esperado. Para aqueles que me falam para me dasapegar do meu marido, eu digo sinceramente:" me peçam para me desapegar de qualquer coisa, menos do meu marido que está sempre me inspirando no serviço devocional ao nosso amado em comum Sri Krishna!"

Rosana Araújo said...

Gostaria de comentar mais um ponto que Archana Sidhi levatou no seu texto, os casamentos arranjados.
Acho que tudo o que ela comenta é muito válido para nossa imatura sociedade ocidental, mas não acho que devemos desconsiderar completamente a idéia de casamentos bem pensados sem a necessidade de "experiemtação" pré-marital. Se bem que quando ela fala em namoro, isto não quer dizer necessariamente um contato muito íntimo antes do casamento. Não que eu ache isso um pecado mortal, mas o que acontece é que o casal se leva por uma euforia do momento, não há comprometimento de nenhuma das partes, e acaba em frustração mútua e a sençação de perda de tempo e de ter sido usado(a), isto acontece principalmente com as mulheres, que por natureza procuram proteção. Testando e testando, acabam passando por uma frustração atráz da outra, enquanto numa verdadeira relação vc simplesmente se adapta à realidade do convívio com o outro, procurando entender sua personalidade, limitações e apegos. A minha realização pessoal é que é possível amar qualquer tipo de pessoa, assim como é possível odiar qualquer tipo de pessoa, isto só depende de qual parte da pessoa vc se foca, nas qualidades ou nos defeitos. É claro que por questões de temperamento e karma, algumas pessoas não conseguem conviver, e por isso existe a astrologia védica!!!! Uau! Não precisamos perder nosso tempo testando! O mapa védico pode nos mostrar se é possíovel viver uma vida feliz em consciência de Krishna com a pessoa pretendida!
Não é intrigante que o sistema de casamento arranjados aconteçam até hoje na India com sucesso? Sucesso quer dizer, casais felizes. Como? Acho que é nisso que devemos medidar. Aceitar o que é bom para a consciência de Krishna e rejeitar o que é ruim.
Acho que tudo o que ela falou sobre edução é extremamente importante, bem como a perfórmance dos samskaras, isso nos aliviará e muito na hora de nos preocuparmos com o futuro ne nossos filhos. Filhos feitos em consciência de Krishna (O livro de samskaras explicam todos os detalhes!), geram pessoas consciêntes de Krishna.

Gopali devi dasi said...

Gostei muito do artigo, estou muito de acordo com todas as colocações, e gostaria de dividir um pensamento:
"Precisamos nos autoconhecer de maneira urgente, para de fato nos posicionarmos bem em relação a meta última da vida e pararmos de brigar por troféis temporários qe só nos comprometem e nos atam".
Entender em uma situação o que é detalhe e o que é essência é muito importante, principalmente dentro de um casamento.

Gopali devi dasi (PS)

Post a Comment